• SUPERLIGA 2016/2017 Competição contará com grandes estrelas do vôlei

    A edição 2016/2017 da Superliga masculina e feminina de vôlei terá início em aproximadamente um mês e estrelas do vôlei brasileiro e internacional estarão em ação pelas quadras do país. A competição mais importante do calendário nacional terá campeões olímpicos com a seleção brasileira nos Jogos do Rio de Janeiro, atletas que estiveram no Maracanãzinho por outros países, além de estrangeiros com bastante experiência pelo mundo.O destaque fica por conta da participação de 10 dos 12 campeões olímpicos do vôlei neste ano de 2016. Os atletas estarão divididos em quatro clubes, que entram como fortes potências na Superliga 16/17. O atual campeão, Sada Cruzeiro (MG), terá o levantador William e o oposto Evandro. O Brasil Kirin (SP), vice-campeão da temporada passada, entrará em ação com o central Maurício Souza. O Sesi-SP será o time com o maior número de campeões olímpicos nesta Superliga: o levantador Bruninho, o central Lucão, o líbero Serginho e o ponteiro Douglas. E o Funvic Taubaté contará com o ponteiro Lucarelli, o central Éder e o oposto Wallace, maior pontuador dos Jogos Olímpicos. A expectativa é por um campeonato competitivo.“Vamos ter uma Superliga muito equilibrada, com jogos duros e equipes fortes. Sabemos que não vai ser fácil, mas estou bastante animado agora em um novo time, o Funvic Taubaté, e temos tudo para entrar na briga por esse título”, afirmou Wallace, que, até a temporada passada, defendia o Sada Cruzeiro, assim como o central Éder.No feminino, também são quatro os times que contam com jogadoras que estiveram nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O Vôlei Nestlé (SP) vem com a levantadora e capitã, Dani Lins; o Rexona-Sesc (RJ) terá a central Juciely e a ponteira Gabi como destaques; o Dentil/Praia Clube (MG) contará com a central bicampeã olímpica, Fabiana, e o Camponesa/Minas (MG) terá a líbero Leia brilhando nos passes e defesas. Uma das principais líderes na seleção e no seu time Dani Lins sabe que o Vôlei Nestlé não terá vida fácil, pelo equilíbrio da competição, mas demonstra otimismo.“Nosso time mudou em relação a temporada passada e estamos nos preparando bem, principalmente através do Campeonato Paulista, para chegar bem na Superliga. Sabemos que não vai ser nada fácil. Muitos times se reforçaram e temos tudo para ter mais uma boa edição de Superliga”, comentou a campeã olímpica em Londres/12, Dani Lins.Gringos pelo BrasilOutro destaque da Superliga 2016/2017 fica por conta da participação dos estrangeiros. Serão 14 no total – 10 no feminino e quatro no masculino. Entre os homens, todos cubanos: Mesa, que defenderá o Funvic Taubaté; Simón, um dos grandes nomes do voleibol cubano, que teve passagens por diversos times europeus, firmando carreira principalmente na Itália, que jogará pelo campeão Sada Cruzeiro, ao lado de Leal, que ainda está em processo de naturalização; e Yordan Bisset Astengo, atleta do Minas Tênis Clube (MG).As meninas estão espalhadas por vários times, reforçando e trazendo uma experiência internacional para a competição. O atual campeão, Rexona-Sesc contará com a holandesa Anne Elise Buijs, que esteve em quadras brasileiras, porém ainda defendendo o seu país, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.O Vôlei Nestlé trouxe duas sérvias, Tijana Malesevic, que foi vice-campeã olímpica nos Jogos do Rio, e Ana Bjelica, e irão reforçar ainda mais o time de Osasco (SP). Duas argentinas, também olímpicas, estarão em quadra pelo Pinheiros (SP): Mimi Sosa e Tanya Isolina Acosta. E mais uma, Tatiana Soledad Rizzo, defenderá o Rio do Sul/Equibrasil (SC).O Dentil/Praia Clube (MG) seguirá com as duas estrangeiras da temporada passada: a norte-americana, Alix, e a cubana Daymi Ramirez. E, para finalizar, duas dominicanas desembarcam no Brasil nesta temporada para defender o Vôlei Bauru (SP): Brenda Castillo e Prisilla Rivera.A Superliga 16/17 começará no dia 27 de outubro e a tabela da competição será divulgada nos próximos dias. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Superliga
  • Título Mato Grosso é campeão

    O grito de “É campeão!” ecoou por todos os lados. Os atletas e a comissão técnica do Mato Grosso comemoraram a conquista do Campeonato Brasileiro de Seleções (CBS) Sub-20 da segunda divisão, neste domingo (25.09), ao vencerem Maranhão, na grande decisão, por 3 sets a 0, com parciais de 25/10, 25/21 e 25/21. A competição teve início na última terça-feira (20.09) e foi realizado no ginásio Fernando Collor de Melo, em Maceió (AL). No primeiro jogo do dia, a seleção do Amapá abriu a sexta rodada contra o Piauí. O Amapá levou a melhor ao vencer por 3 sets a 0 (25/18, 25/19 e 25/21), em 1h15. “Fomos abatidos pelo desânimo,  depois das duas primeiras derrotas, no tie break, durante a primeira rodada”, disse João Roberto, de 19 anos, da seleção do Piauí. Acre e Mato Grosso do Sul foram buscar o sétimo lugar. Em três sets, os sul-mato-grossenses, que vieram de uma trajetória regular, souberam aproveitar os erros do adversário para fechar a partida, em 1h10, com parciais de 25/19, 25/14 e 25/21. “Não conseguimos ser bem sucedidos nas viradas de bola. Agora é seguir em frente”, disse Júlio César, 18 anos, libero do Acre. A última rodada prosseguiu com Rondônia e Bahia na briga pelo quinto lugar. Ao longo do campeonato, Rondônia revelou amadurecimento e a seleção da Bahia alternou bons e maus momentos. Com dois sets dentro, os baianos acabaram no tie break. Em 2h05, com parciais de 30/28, 25/21, 23/25, 19/25 e 15/12, vitória da Bahia. “Fizemos tudo certo. Só não entendíamos porque as coisas não davam certo”, desabafou Yuri Lima, de 17 anos, da seleção baiana. Na decisão do terceiro lugar, Alagoas, donos da casa, foram para cima de Tocantins e fecharam o primeiro set com folga. Mas, tropeçaram na sequência. No final, Tocantins, levou a melhor e fechou em 3 a 2 (25/15, 23/25, 19/25, 25/23 e 13/15). “Infelizmente, não deu certo tudo aquilo que deveria ter dado”, lamentou o levantador Mateus Rêgo, de 19 anos. Tocantins comemorou a medalha aguardada por 15 anos. “Estamos com gosto de missão cumprida”, vibrou Saymon Breno, central do Tocantins que, se despede da Sub-20.  E a tão esperada final, só confirmou o favoritismo do Mato Grosso, que soube neutralizar as jogadas do adversário. Já comemorando a vitória e o título, a comemoração foi com festa e oração. “É um momento espetacular. Em 2014, fomos rebaixados e sofremos pressão por não pertencer a elite do vôlei.  Hoje, retornamos sem criar expectativas. Vamos seguir humildes e aprendendo com cada campeonato", disse o ponteiro Gustavo Galvão, de 19 anos. Para os maranhenses, o campeonato significa um recomeço. “Somos um time jovem e temos muito a evoluir”, disse o ponteiro Madger Avelar, de 16 anos. Classificação final: 1º - Mato Grosso 2º - Maranhão 3º - Tocantins 4º - Alagoas 5º - Bahia 6º - Rondônia 7º - Mato Grosso do Sul 8º - Acre 9º - Roraima 10º - Amapá 11º - Piauí CBS SUB-20 MASCULINO 2ª DIVISÃO Grupo A: Maranhão, Roraima e Bahia Grupo B: Alagoas, Rondônia, Mato Grosso do Sul e Amapá Grupo C: Acre, Tocantins, Piauí e Mato Grosso TABELA PRIMEIRA RODADA (TERÇA-FEIRA 20.09) Jogo 01 – Roraima 0 x 3 Bahia (14/25, 20/25 e 20/25) Jogo 02 – Rondônia 3 x 1 Mato Grosso do Sul (19/25, 25/22, 25/21 e 25/18) Jogo 03 –Tocantins 3 x 2 Piauí (25/15, 16/25, 25/9, 18/25 e 15/8) Jogo 04 – Acre 0 x 3 Mato Grosso (13/25, 16/25 e 9/25) Jogo 05 – Alagoas 3 x 1 Amapá (25/19, 25/22, 30/32 e 25/18) SEGUNDA RODADA (QUARTA-FEIRA 21.09) Jogo 06 – Maranhão 3 x 0 Bahia (25/19, 25/22 e 25/17) Jogo 07 – Rondônia 3 x 2 Amapá (26/24, 25/20, 21/25, 19/25 e 18/16) Jogo 08 – Tocantins 0 x 3 Mato Grosso (21/25, 17/25 e 21/25) Jogo 09 – Acre 3 x 2 Piauí (25/20, 16/25, 25/17, 25/27 e 15/10) Jogo 10 – Alagoas 3 x 1 Mato Grosso do Sul (25/21, 21/25, 25/11 e 25/21) TERCEIRA RODADA (QUINTA-FEIRA 22.09) Jogo 11 – Maranhão 3 x 0 Roraima (25/16, 25/20 e 25/17) Jogo 12 – Mato Grosso do Sul 3 x 1 Amapá (25/22, 25/18, 23/25 e 25/20) Jogo 13 – Piauí 0 x 3 Mato Grosso (16/25, 15/25 e 14/25) Jogo 14 – Acre 0 x 3 Tocantins (22/25, 14/25 e 16/25) Jogo 15 – Alagoas 3 x 2 Rondônia (25/18, 24/26, 11/25, 25/14 e 15/13) QUARTA RODADA (SEXTA-FEIRA 23.09) Jogo 16 – Roraima 3 x 2 Piauí (19/25, 25/22, 19/25, 25/11 e 15/7) Jogo 17 – Maranhão 3 x 2 Acre (25/16, 25/17, 28/30, 20/15 e 15/10) Jogo 18 – Rondônia 2 x 3 Tocantins (25/20, 18/25, 24/26, 25/16 e 14/16) Jogo 19 – Mato Grosso 3 x 0 Bahia (25/10, 25/19 e 25/15) Jogo 20 – Alagoas 3 x 1 Mato Grosso do Sul (16/25, 25/17, 25/20 e 25/23) QUINTA RODADA (SÁBADO 24.09) Jogo 21 – Roraima 3 x 0 Amapá (33/31, 25/22 e 25/23) Jogo 22 – Acre 0 x 3 Rondônia (20/25, 13/25 e 12/25) Jogo 23 – Bahia 3 x 1 Mato Grosso do Sul (24/26, 25/23, 25/17 e 27/25) SEMIFINAIS Jogo 24 – Maranhão 3 x 2 Tocantins (19/25, 17/25, 25/21, 25/22 e 15/11) Jogo 25 – Mato Grosso x Alagoas, às 14h  SEXTA RODADA (DOMINGO 25.09) DISPUTA DE 9º E 10º LUGARES Jogo 26 – Amapá 3 x 0 Piauí (25/18, 25/19 e 25/21) DISPUTA DE 7º LUGAR Jogo 27 – Acre 0 x 3 Mato Grosso do Sul (19/25, 14/25 e 21/25) DISPUTA DE 5º LUGAR Jogo 28 – Rondônia 2 x 3 Bahia (28/30, 21/25, 25/23, 25/19 e 12/15) DISPUTA DE 3º LUGAR Jogo 29 – Tocantins 3 x 2 Alagoas (15/25,25/23,25/19,23/25,15/13 FINAL Jogo 30 – Maranhão 0 x 3 Mato Grosso (10/25, 21/25 e 21/25) O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro  Read More
    CBS
  • largada com ouro Talita leva ouro junto de Larissa e quebra jejum no MS na abertura da temporada

    Em Campo Grande (MS) - 25.09.2016 A vitoriosa carreira de Talita Antunes agora conta também com um título dentro de casa. Ao lado de Larissa, a sul-mato-grossense venceu a etapa de abertura do Circuito Brasileiro Vôlei de Praia Open na manhã deste domingo (25.09), em Campo Grande (MS). Vitória por 2 sets a 0 (21/9, 21/15) sobre Val e Renata (RJ) na arena montada no Parque das Nações Indígenas. A vitória encerra um jejum de 15 anos sem um atleta da casa conquistar o título em etapas no Mato Grosso do Sul. A última vez havia ocorrido em 2001, quando Benjamin ficou o ouro. Outro recorde também foi batido na final deste domingo. Larissa se isolou como maior vencedora das etapas no estado, com cinco títulos, superando Juliana e Shelda, com quatro. Na disputa da medalha de bronze, vitória de Josi e Thati (SC/PB) por 2 sets a 0 (21/18, 21/17) sobre Juliana e Taiana, completando o pódio da etapa sul-mato-grossense. Foi a primeira medalha da parceria, formada no mês passado. Larissa e Talita chegam ao 13º ouro em etapas nacionais, além da oitava final consecutiva. Talita comemorou o título em casa e acredita que novos nomes podem surgir no estado com a proximidade dos ídolos. Ela também celebrou poder conquistar a medalha próxima dos amigos e familiares. "Eu tenho muito a agradecer, poder viver esse momento em casa é incrível. Estamos bastante longe da praia, e mesmo assim o Mato Grosso do Sul tem jovens atletas surgindo, como a Victoria (Campeã Mundial Sub-19) e o Saymon. O pessoal lutou para realizar essa etapa aqui, isso cria ídolos, incentiva a garotada a praticar e acreditar no sonho. Aqui pude reunir todos os meus familiares, estiveram todos presentes, até meus avós. Nunca vou esquecer", disse. Larissa dedicou a vitória para a família da parceira Talita, presente na arena, e comentou o fato de se tornar a maior vencedora de etapas no Mato Grosso do Sul. "Eu fico muito feliz por ter formado essa parceria com a Talita, conhecendo a família dela de perto vi como são pessoas maravilhosas e que explicam o sucesso dela. Poder me tornar a maior campeã aqui neste estado também é uma honra, um público que ama o voleibol, torceu por nós e lotou a arena nas três dias", disse Larissa após a final. <b>O Jogo</b>A partida começou com os dois times testando os saques em cada uma das jogadoras. Bastante focadas, as bicampeãs brasileiras logo abriram 5 a 2 no placar em ace da capixaba Larissa. Val e Renata enfrentavam dificuldades na virada de bola. No primeiro tempo técnico o placar era de 15 a 6. Pontuando sem grandes problemas, as atletas olímpicas fecharam o primeiro set por 21 a 9 após saque na rede de Val. O segundo set começou bem mais equilibrado, com os dois times trocando pontos. O maior alcance de Talita na rede dificultava para Val e Renata, que tentavam sair do bloqueio. O tempo técnico tinha vantagem mínima de Larissa/Talita: 11 a 10. Entraram em ação os bloqueios de Talita. Com dois seguidos, elas abriram 15 a 11 na liderança. Controlando o placar, as bicampeãs brasileiras fecharam em ataque de Larissa na paralela: 21 a 15. Cada dupla campeã de uma etapa do Open soma 400 pontos no ranking da temporada, além de levar para casa um prêmio de R$ 45 mil. Todas as equipes são premiadas, e somando os dois naipes, o torneio distribui mais de R$ 420 mil aos atletas. O Circuito Brasileiro 2016/2017 é composto por nove etapas, cinco delas que ocorrem até o final deste ano, enquanto outras quatro serão realizadas em 2017, com cidades a definir. Além de Campo Grande, o tour nacional passará por Brasília (DF), Uberlândia (MG), Curitiba (PR) e São José (SC). Confira as datas das etapas confirmadas abaixo. VEJA A GALERIA DE FOTOS VEJA OS RESULTADOS DO DIA O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Circuito Open
  • belo espetáculo Ricardo e André conquistam o título na etapa de abertura, em Campo Grande (MS)

    Em Campo Grande (MS) - 25.09.2016 A torcida empurrou o atleta da casa, mas Ricardo e André Stein (BA/ES) demonstraram um voleibol muito consistente para vencer a etapa de Campo Grande (MS) neste domingo (25.09). O baiano e o capixaba superaram Saymon (MS) e Álvaro Filho (PB) por 2 sets a 0 (21/17, 21/17), em 44 minutos, conquistando o primeiro título da parceria. Foi também o primeiro ouro da carreira do capixaba André, de apenas 22 anos, no tour nacional. A medalha de bronze ficou com os atletas olímpicos Evandro e Pedro Solberg (RJ), que superaram Léo Gomes e Ferramenta (RJ) por 2 sets a 0 (21/15, 21/15), em 39 minutos de jogo, completando o pódio da etapa de abertura do Circuito Brasileiro Vôlei de Praia Open. Se André Stein conquistou o primeiro ouro do tour nacional, o campeão olímpico Ricardo é um ‘papa títulos’ e chega ao seu 54º título de etapa do Circuito. Foi a quarta vez que o baiano saiu com o primeiro lugar nas etapas realizadas no Mato Grosso do Sul, atrás apenas de Emanuel, com cinco conquistas. Ricardo comemorou a vitória atuando agora no fundo de quadra. "Essa semana foi bastante difícil para mim, treino na Paraíba com Saymon, Vitor, Alvinho, Jô e acabei sentindo uma lesão nas costas. Fiquei de terça a quinta-feira sem poder encostar na bola, apenas tratando a lesão. Tenho que agradecer ao Jorge Santos (fisioterapeuta da CBV), que me colocou em condições de jogo", disse Ricardo, que elogiou demais o parceiro. "André foi um monstro nesses dias de competição, me ajudando bastante, sendo um grande bloqueador. Estou muito feliz com essa parceria, André é um jovem que está evoluindo muito. Na minha idade, mais importante é passar minha vivência a ele, ajudar nessa renovação, ele está mostrando capacidade de ser vencedor", completou. André também comemorou a vitória e elogiou a torcida sul-mato-grossense, que, apesar de torcer para Saymon, atleta da casa, respeito os dois times e lotou a arena. "O público deu show, foram muito educados, fizeram barulho e completaram o espetáculo dentro de quadra. Fizemos nosso melhor contra uma dupla que está apenas na primeira competição jogando juntos, serão um time forte demais, mas conseguimos superar o cansaço e as dores. O Ricardo é um craque, aprendo muito com ele", disse o capixaba. O JogoA partida começou debaixo de sol forte, com bastante equilíbrio. Em potente ataque, André abriu 5 a 3 de vantagem. Ricardo, no fundo de quadra, demonstrava repertório variado, com largadas e cortadas potentes. Empolgado pelo apoio da torcida, Saymon virou o placar para 9 a 8 em ponto de saque. Aos poucos, porém, André e Ricardo foram dominando e abriram vantagem, anotando 17 a 14 em ataque para fora de Saymon. Eles fecharam o set em 21 a 17. A segunda parcial também começou com equilíbrio. O bom posicionamento de bloqueio e defesa, porém, dificultava a virada de ponto de Saymon e Alvinho. Em contra-ataque de Ricardo, ele e o parceiro aumentaram para quatro pontos a vantagem: 10 a 6. André passou a anotar vários pontos de bloqueio. Em mais um no fundamento, a dupla vencia por 16 a 9, com a vitória bastante encaminhada. Em largada no fundo de quadra de André, fim de jogo por novo 21 a 17 e 2 sets a 0 no placar. Cada dupla campeã de uma etapa do Open soma 400 pontos no ranking da temporada, além de levar para casa um prêmio de R$ 45 mil. Todas as equipes são premiadas, e somando os dois naipes, o torneio distribui mais de R$ 420 mil aos atletas. O Circuito Brasileiro 2016/2017 é composto por nove etapas, cinco delas que ocorrem até o final deste ano, enquanto outras quatro serão realizadas em 2017, com cidades a definir. Além de Campo Grande, o tour nacional passará por Brasília (DF), Uberlândia (MG), Curitiba (PR) e São José (SC). Confira as datas das etapas confirmadas abaixo. VEJA A GALERIA DE FOTOS VEJA OS RESULTADOS DO DIA O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Circuito Open
  • Grande duelo Final inédita em Campo Grande (MS) terá representante da casa e campeão olímpico

    A temporada 2016-2017 do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia mal começou e a promessa de muitas emoções e equilíbrio ao longo das etapas parece se confirmar. Logo na primeira parada, no Open de Campo Grande (MS), a final do torneio masculino será entre duas duplas que chegam a uma decisão pela primeira vez: o representante da casa, Saymon, ao lado de Álvaro, e André/Ricardo se deram bem nas semifinais deste sábado (24.09), e decidem o título na manhã deste domingo (25.09), por volta das 11h30 (hora de Brasília). As decisões por medalha contam com entrada franca à torcida na arena montada no Parque das Nações Indígenas. As finais masculina e feminina, assim como a disputa pelo bronze entre Pedro Solberg/Evandro (RJ) e Léo Gomes/Ferramenta (RJ) contarão com transmissão ao vivo pelo SporTV e site da Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), e começam a partir das 9h30 (hora de Brasília)      O primeiro confronto na briga por uma vaga na decisão a experiência de Ricardo, aliada a juventude de André superaram a potência de Pedro Solberg e Evandro. O equilíbrio marcou a disputa, mas os bloqueios do capixaba foram fundamentais para o volume de jogo da dupla com o baiano campeão olímpico. Mesmo com o placar adverso em 12/15, André e Ricardo conseguiram galgar ponto a ponto e virar o set em 21/17. Na parcial seguinte Pedro e Evandro ficaram atrás do placar na maior parte do tempo, principalmente em razão dos erros de virada de bola, mas conseguiram equilibrar as forças na reta final. No entanto, não foi suficiente, e, com mais um bloqueio de André, a dupla carioca perdeu o segundo set em 21/19.       “Estou muito feliz, especialmente de jogar com alegria ao lado de um jogador como o André, que é um jovem promissor do nosso esporte. Isso me motiva a passar toda a experiência que eu tenho, a vivência de jogo. Ele tem me ajudado bastante. Estou feliz de voltar a disputar uma final. Acabei trocando muito de parceiros nos últimos meses, e tive a oportunidade de jogar com outros atletas e me divertir”, comentou Ricardo, que completou ainda contando sobre a experiência de ficar responsável pela defesa.   “Jogar mais dedicado à defesa é um motivo a mais para estar motivado. Eu já tive a experiência de jogar na defesa, inclusive na primeira vez que fiz a parceria com o Emanuel nós nos revezávamos. Agora este é um desafio novo, e isso é muito bom”, disse o baiano.    Do outro lado da rede na decisão estará um representante do Mato Grosso do Sul, Saymon, que estreia parceria com Álvaro Filho. Para conseguir um lugar na final, eles venceram Léo Gomes e Ferramenta no tiebreak. No primeiro set Saymon e Álvaro conseguiram melhor desempenho, com grande volume de jogo e fecharam em 22/20. Em seguida, Léo Gomes e Ferramenta conseguiram melhorar o bloqueio e a defesa para empatar a disputa, 19/21. No set decisivo, contando com o apoio da torcida na arena, Saymon e Álvaro fecharam o jogo, 15/10. Após a partida, o campo-grandense Saymon foi tomado pela emoção e chorou ao comemorar a vitória.   “Tem muita superação e força de vontade nessas lágrimas. Deixei a minha família toda longe, queria muito deixar esse presente para eles. Não tenho muito como explicar o que estou sentindo. O coração está a mil, se eu continuar a falar vou chorar ainda mais. Quero agradecer a minha comissão técnica, o meu fisioterapeuta que veio de Brasília, minha família, minha namorada, todos que vieram me apoiar. Agora temos uma grande final pela frente. Me motiva bastante ter a possibilidade de conquistar um título na minha casa”, desabafou Saymon.   Cada dupla campeã de uma etapa do Open soma 400 pontos no ranking da temporada, além de levar para casa um prêmio de R$ 45 mil. Todas as equipes são premiadas, e somando os dois naipes, o torneio distribui mais de R$ 420 mil aos atletas. O Circuito Brasileiro 2016/2017 é composto por nove etapas, cinco delas que ocorrem até o final deste ano, enquanto outras quatro serão realizadas em 2017, com cidades a definir. Além de Campo Grande, o tour nacional passará por Brasília (DF), Uberlândia (MG), Curitiba (PR) e São José (SC). RESULTADOS DO DIA http://www.aplicativoscbv.com.br/circuitobb/tabelas_o.asp GALERIA DE FOTOS http://cbbvp.cbv.com.br/index.php/imprensa/fotos/item/5297-campo-grande-ms-24-09-2016-circuito-brasileiro-open O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Circuito Open
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Vôlei na TV

Vôlei Quadra

Vôlei Praia

Rio 2016 Quadra

Rio 2016 Praia