• Circuito BB Sub-21 Últimas vagas para a disputa em Palmas são definidas

    A quarta e última etapa do Circuito Banco do Brasil Sub-21 de Vôlei de Praia 2016 começou nesta sexta-feira (30.09), em Palmas (TO). O primeiro dia de jogos na capital tocantinense foi marcada pelo torneio de qualificação para duplas masculinas. A competição continua neste sábado (01.09), com entrada franca, a partir das 8h, na arena montada na praia da Graciosa. Para a disputa das quatro vagas ainda disponíveis na chave principal oito duplas entraram em ação em 10 partidas da fase de qualificação. Ao final do dia Pedro/Alexandre (SP), Lázaro/Felipe (GO), Mateus/Pedro (DF) e André/Caio (DF) conseguiram avançar. Outra parceria classificada foi a representante de Tocantins, Marquys/Matheus, que foram sorteados para o lugar da dupla amazonense que não poderão mais participar do campeonato.    Além dos classificados nesta sexta-feira, outras 13 parcerias já estavam garantidas na disputa masculina: Adelmo/Akim (BA), Geroge/Renato (PB), Igor Borges/Gabriel Gouveia (RJ), Kaique/Felipe (RS), Liton/Robson (RN), Matheus Santos/Wesley (ES), Savio/Luiz (SC), Adrielson/Arthur Lanci (PR), Rodrigo/Thiago (AM), Matheus Sampaio/Vitor Maciel (DF), Alysson/Marcos (CE) e Gabriel/Cleomar (TO). As 16 duplas na briga pelo pódio no torneio feminino são: Carol/Vivi (PE), Andressa/Rebeca (PB), Talita/Verena (CE), Vitória/Giovanna (RJ), Anna Luisa/Victória (RS), Duda/Cíntia (SE), Camila/Kyce (RN), Carol/Samille (SC), Bitencourt/Monique (PR), Victoria/Taís (MS), Ana Beatriz/Geovanna (GO), Isabela/Raislany (GO), Ana Clara/Maria (GO), Mikaele/Michelli (TO), Juliana/Lídia (RO) e Ana Patrícia/Anna (MG). Assim como ocorre no circuito Sub-19, o Sub-21 é um campeonato de seleções estaduais, com duplas da mesma federação. Ele mantém o formato das últimas duas temporadas, com cada estado indicando suas delegações nos dois gêneros em busca do título. Além dos atletas, que podem ser alterados a cada etapa, as federações elegem um técnico. Os pontos obtidos vãos para o estado e o campeão geral é determinado ao final das paradas. O atual modelo foi implementado em 2013 com o objetivo de identificar novos talentos nas areias, num trabalho de renovação. E, a partir daí, analisar quais são os polos que precisam receber um incentivo maior para se desenvolverem e serem trabalhados de forma mais direcionada. Na temporada de estreia, os títulos ficaram com os estados do Paraná (masculino) e Sergipe (feminino), que repetiram a dose em 2014 e 2015. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Praia
  • aviso aos jornalistas Credenciamento para a Supercopa está aberto

    A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) convida os jornalistas interessados em cobrir a Supercopa que reunirá Rexona-Sesc (RJ) e Dentil/Praia Clube (MG) e será realizada no dia 07 de outubro, às 18h15, no ginásio do Praia Clube, em Uberlândia (MG), a fazerem o devido credenciamento. Os profissionais devem enviar e-mail para [email protected] com nome completo, identidade, função e órgão em que trabalha. As solicitações devem ser feitas até às 11h da próxima quarta-feira (05.10). A Supercopa reunirá os finalistas das últimas edições da Superliga e da Copa Banco do Brasil. Os jornalistas que tiverem seus pedidos aceitos serão informados pela assessoria de comunicação da CBV sobre local e data de retirada das credenciais. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Quadra
  • Circuito BB Sub-21 Campeões mundiais na base brigam pelo título da temporada em Palmas

    A quarta e última etapa do Circuito Banco do Brasil Sub-21 da temporada 2016 começa nesta sexta-feira (30.09) e vai até o próximo domingo (02.10), na praia da Graciosa, em Palmas (TO). A disputa pelo título geral continua em aberto com boa vantagem do Mato Grosso do Sul no feminino, e do Paraná entre os rapazes. Como trunfo na busca pelo troféu os estados contam com campeões mundiais na base. Na liderança pelo título feminino, o Mato Grosso do Sul tem 560 pontos, seguido pelo Rio de Janeiro, com 500. Campeã mundial Sub-19 este ano, a sul-mato-grossense Victoria, de apenas 17 anos, ajudou o estado natal a chegar à frente para a última parada do circuito e encara a responsabilidade de forma natural. “Estou muito feliz em estar representando o meu estado e liderando o ranking. Isso me faz querer me preparar cada vez mais para ir com tudo nessa etapa. É uma responsabilidade muito grande representar o Mato Grosso do Sul, por isso preciso ir com mais foco ainda neste último torneio para garantir o título da temporada. Darei o meu máximo e tentarei me divertir em quadra. A experiência que tive no meu primeiro Open, neste último fim de semana, me mostrou que tudo tem seu tempo, e que eu poderei ajudar mais a minha parceira em quadra”, disse a jogadora que hoje treina e mora em Sergipe, estado tricampeão feminino do Circuito. Além de Victoria, outras três campeãs mundiais na base estarão em busca do ouro em Palmas: Ana Patrícia (MG), Andressa (PB) e Duda (SE). A sergipana Duda, inclusive, já possui um rol de conquistas entre os profissionais, mas confessa que não abandona as disputas entre os jovens talentos. “Eu gosto de jogar os torneios de base do Circuito Brasileiro. É uma oportunidade de ajudar as meninas que jogam ao meu lado, dar confiança a elas. Eu me sinto mais à vontade, jogo muito o circuito adulto, então quando jogo o Sub-21 eu me divirto muito”, comentou Duda que já tem títulos em etapas do Circuito Brasileiro e Mundial entre as profissionais. A briga no torneio masculino também está bastante acirrada. Paraná e Paraíba chegam com chances, mas o time da região sul tem vantagem de 60 pontos, e conquistou o ouro nas três etapas já realizadas, todas vencendo o time paraibano. Parceiros nos títulos mundiais Sub-19 em 2014 e Sub-21 em 2016, Arthur Lanci (PR) e George (PB) terão que deixar de lado a cumplicidade e jogar cada um pelo próprio estado. “Nós vamos para essa etapa focados para levar esta etapa e ganharmos pelo quarto ano consecutivo o título da temporada. Jogar contra o George é um prazer imenso, mas dentro de quadra existe uma rivalidade. Nós sempre treinamos juntos e nos damos muito bem dentro e fora de quadra”, contou o paranaense. A Paraíba, para conquistar o título, precisa ficar quatro posições a frente do Paraná. George, e o parceiro Renato Andrews, que este ano conquistou o mundial Sub-19, terão a missão de tentar quebrar a hegemonia paranaense. “Acho que temos que dar o nosso melhor como viemos fazendo nas últimas etapas e estudar mais os erros que cometemos contra o Paraná. Eles têm uma dupla muito forte com ótimo entrosamento. Eu e o Arthur brincamos muito um com o outro com essa rivalidade. Levamos isso na boa e tentamos sempre nos divertir jogando um contra o outro”, explicou George. Assim como ocorre no circuito Sub-19, o Sub-21 é um campeonato de seleções estaduais, com duplas da mesma federação. Ele mantém o formato das últimas duas temporadas, com cada estado indicando suas delegações nos dois gêneros em busca do título. Além dos atletas, que podem ser alterados a cada etapa, as federações elegem um técnico. Os pontos obtidos vãos para o estado e o campeão geral é determinado ao final das paradas. O atual modelo foi implementado em 2013 com o objetivo de identificar novos talentos nas areias, num trabalho de renovação. E, a partir daí, analisar quais são os polos que precisam receber um incentivo maior para se desenvolverem e serem trabalhados de forma mais direcionada. Na temporada de estreia, os títulos ficaram com os estados do Paraná (masculino) e Sergipe (feminino), que repetiram a dose em 2014 e 2015. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Praia
  • SUPERLIGA 2016/2017 Competição contará com grandes estrelas do vôlei

    A edição 2016/2017 da Superliga masculina e feminina de vôlei terá início em aproximadamente um mês e estrelas do vôlei brasileiro e internacional estarão em ação pelas quadras do país. A competição mais importante do calendário nacional terá campeões olímpicos com a seleção brasileira nos Jogos do Rio de Janeiro, atletas que estiveram no Maracanãzinho por outros países, além de estrangeiros com bastante experiência pelo mundo.O destaque fica por conta da participação de 10 dos 12 campeões olímpicos do vôlei neste ano de 2016. Os atletas estarão divididos em quatro clubes, que entram como fortes potências na Superliga 16/17. O atual campeão, Sada Cruzeiro (MG), terá o levantador William e o oposto Evandro. O Brasil Kirin (SP), vice-campeão da temporada passada, entrará em ação com o central Maurício Souza. O Sesi-SP será o time com o maior número de campeões olímpicos nesta Superliga: o levantador Bruninho, o central Lucão, o líbero Serginho e o ponteiro Douglas. E o Funvic Taubaté contará com o ponteiro Lucarelli, o central Éder e o oposto Wallace, maior pontuador dos Jogos Olímpicos. A expectativa é por um campeonato competitivo.“Vamos ter uma Superliga muito equilibrada, com jogos duros e equipes fortes. Sabemos que não vai ser fácil, mas estou bastante animado agora em um novo time, o Funvic Taubaté, e temos tudo para entrar na briga por esse título”, afirmou Wallace, que, até a temporada passada, defendia o Sada Cruzeiro, assim como o central Éder.No feminino, também são quatro os times que contam com jogadoras que estiveram nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O Vôlei Nestlé (SP) vem com a levantadora e capitã, Dani Lins; o Rexona-Sesc (RJ) terá a central Juciely e a ponteira Gabi como destaques; o Dentil/Praia Clube (MG) contará com a central bicampeã olímpica, Fabiana, e o Camponesa/Minas (MG) terá a líbero Leia brilhando nos passes e defesas. Uma das principais líderes na seleção e no seu time Dani Lins sabe que o Vôlei Nestlé não terá vida fácil, pelo equilíbrio da competição, mas demonstra otimismo.“Nosso time mudou em relação a temporada passada e estamos nos preparando bem, principalmente através do Campeonato Paulista, para chegar bem na Superliga. Sabemos que não vai ser nada fácil. Muitos times se reforçaram e temos tudo para ter mais uma boa edição de Superliga”, comentou a campeã olímpica em Londres/12, Dani Lins.Gringos pelo BrasilOutro destaque da Superliga 2016/2017 fica por conta da participação dos estrangeiros. Serão 14 no total – 10 no feminino e quatro no masculino. Entre os homens, todos cubanos: Mesa, que defenderá o Funvic Taubaté; Simón, um dos grandes nomes do voleibol cubano, que teve passagens por diversos times europeus, firmando carreira principalmente na Itália, que jogará pelo campeão Sada Cruzeiro, ao lado de Leal, que ainda está em processo de naturalização; e Yordan Bisset Astengo, atleta do Minas Tênis Clube (MG).As meninas estão espalhadas por vários times, reforçando e trazendo uma experiência internacional para a competição. O atual campeão, Rexona-Sesc contará com a holandesa Anne Elise Buijs, que esteve em quadras brasileiras, porém ainda defendendo o seu país, nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.O Vôlei Nestlé trouxe duas sérvias, Tijana Malesevic, que foi vice-campeã olímpica nos Jogos do Rio, e Ana Bjelica, e irão reforçar ainda mais o time de Osasco (SP). Duas argentinas, também olímpicas, estarão em quadra pelo Pinheiros (SP): Mimi Sosa e Tanya Isolina Acosta. E mais uma, Tatiana Soledad Rizzo, defenderá o Rio do Sul/Equibrasil (SC).O Dentil/Praia Clube (MG) seguirá com as duas estrangeiras da temporada passada: a norte-americana, Alix, e a cubana Daymi Ramirez. E, para finalizar, duas dominicanas desembarcam no Brasil nesta temporada para defender o Vôlei Bauru (SP): Brenda Castillo e Prisilla Rivera.A Superliga 16/17 começará no dia 27 de outubro e a tabela da competição será divulgada nos próximos dias. O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro Read More
    Superliga
  • Título Mato Grosso é campeão

    O grito de “É campeão!” ecoou por todos os lados. Os atletas e a comissão técnica do Mato Grosso comemoraram a conquista do Campeonato Brasileiro de Seleções (CBS) Sub-20 da segunda divisão, neste domingo (25.09), ao vencerem Maranhão, na grande decisão, por 3 sets a 0, com parciais de 25/10, 25/21 e 25/21. A competição teve início na última terça-feira (20.09) e foi realizado no ginásio Fernando Collor de Melo, em Maceió (AL). No primeiro jogo do dia, a seleção do Amapá abriu a sexta rodada contra o Piauí. O Amapá levou a melhor ao vencer por 3 sets a 0 (25/18, 25/19 e 25/21), em 1h15. “Fomos abatidos pelo desânimo,  depois das duas primeiras derrotas, no tie break, durante a primeira rodada”, disse João Roberto, de 19 anos, da seleção do Piauí. Acre e Mato Grosso do Sul foram buscar o sétimo lugar. Em três sets, os sul-mato-grossenses, que vieram de uma trajetória regular, souberam aproveitar os erros do adversário para fechar a partida, em 1h10, com parciais de 25/19, 25/14 e 25/21. “Não conseguimos ser bem sucedidos nas viradas de bola. Agora é seguir em frente”, disse Júlio César, 18 anos, libero do Acre. A última rodada prosseguiu com Rondônia e Bahia na briga pelo quinto lugar. Ao longo do campeonato, Rondônia revelou amadurecimento e a seleção da Bahia alternou bons e maus momentos. Com dois sets dentro, os baianos acabaram no tie break. Em 2h05, com parciais de 30/28, 25/21, 23/25, 19/25 e 15/12, vitória da Bahia. “Fizemos tudo certo. Só não entendíamos porque as coisas não davam certo”, desabafou Yuri Lima, de 17 anos, da seleção baiana. Na decisão do terceiro lugar, Alagoas, donos da casa, foram para cima de Tocantins e fecharam o primeiro set com folga. Mas, tropeçaram na sequência. No final, Tocantins, levou a melhor e fechou em 3 a 2 (25/15, 23/25, 19/25, 25/23 e 13/15). “Infelizmente, não deu certo tudo aquilo que deveria ter dado”, lamentou o levantador Mateus Rêgo, de 19 anos. Tocantins comemorou a medalha aguardada por 15 anos. “Estamos com gosto de missão cumprida”, vibrou Saymon Breno, central do Tocantins que, se despede da Sub-20.  E a tão esperada final, só confirmou o favoritismo do Mato Grosso, que soube neutralizar as jogadas do adversário. Já comemorando a vitória e o título, a comemoração foi com festa e oração. “É um momento espetacular. Em 2014, fomos rebaixados e sofremos pressão por não pertencer a elite do vôlei.  Hoje, retornamos sem criar expectativas. Vamos seguir humildes e aprendendo com cada campeonato", disse o ponteiro Gustavo Galvão, de 19 anos. Para os maranhenses, o campeonato significa um recomeço. “Somos um time jovem e temos muito a evoluir”, disse o ponteiro Madger Avelar, de 16 anos. Classificação final: 1º - Mato Grosso 2º - Maranhão 3º - Tocantins 4º - Alagoas 5º - Bahia 6º - Rondônia 7º - Mato Grosso do Sul 8º - Acre 9º - Roraima 10º - Amapá 11º - Piauí CBS SUB-20 MASCULINO 2ª DIVISÃO Grupo A: Maranhão, Roraima e Bahia Grupo B: Alagoas, Rondônia, Mato Grosso do Sul e Amapá Grupo C: Acre, Tocantins, Piauí e Mato Grosso TABELA PRIMEIRA RODADA (TERÇA-FEIRA 20.09) Jogo 01 – Roraima 0 x 3 Bahia (14/25, 20/25 e 20/25) Jogo 02 – Rondônia 3 x 1 Mato Grosso do Sul (19/25, 25/22, 25/21 e 25/18) Jogo 03 –Tocantins 3 x 2 Piauí (25/15, 16/25, 25/9, 18/25 e 15/8) Jogo 04 – Acre 0 x 3 Mato Grosso (13/25, 16/25 e 9/25) Jogo 05 – Alagoas 3 x 1 Amapá (25/19, 25/22, 30/32 e 25/18) SEGUNDA RODADA (QUARTA-FEIRA 21.09) Jogo 06 – Maranhão 3 x 0 Bahia (25/19, 25/22 e 25/17) Jogo 07 – Rondônia 3 x 2 Amapá (26/24, 25/20, 21/25, 19/25 e 18/16) Jogo 08 – Tocantins 0 x 3 Mato Grosso (21/25, 17/25 e 21/25) Jogo 09 – Acre 3 x 2 Piauí (25/20, 16/25, 25/17, 25/27 e 15/10) Jogo 10 – Alagoas 3 x 1 Mato Grosso do Sul (25/21, 21/25, 25/11 e 25/21) TERCEIRA RODADA (QUINTA-FEIRA 22.09) Jogo 11 – Maranhão 3 x 0 Roraima (25/16, 25/20 e 25/17) Jogo 12 – Mato Grosso do Sul 3 x 1 Amapá (25/22, 25/18, 23/25 e 25/20) Jogo 13 – Piauí 0 x 3 Mato Grosso (16/25, 15/25 e 14/25) Jogo 14 – Acre 0 x 3 Tocantins (22/25, 14/25 e 16/25) Jogo 15 – Alagoas 3 x 2 Rondônia (25/18, 24/26, 11/25, 25/14 e 15/13) QUARTA RODADA (SEXTA-FEIRA 23.09) Jogo 16 – Roraima 3 x 2 Piauí (19/25, 25/22, 19/25, 25/11 e 15/7) Jogo 17 – Maranhão 3 x 2 Acre (25/16, 25/17, 28/30, 20/15 e 15/10) Jogo 18 – Rondônia 2 x 3 Tocantins (25/20, 18/25, 24/26, 25/16 e 14/16) Jogo 19 – Mato Grosso 3 x 0 Bahia (25/10, 25/19 e 25/15) Jogo 20 – Alagoas 3 x 1 Mato Grosso do Sul (16/25, 25/17, 25/20 e 25/23) QUINTA RODADA (SÁBADO 24.09) Jogo 21 – Roraima 3 x 0 Amapá (33/31, 25/22 e 25/23) Jogo 22 – Acre 0 x 3 Rondônia (20/25, 13/25 e 12/25) Jogo 23 – Bahia 3 x 1 Mato Grosso do Sul (24/26, 25/23, 25/17 e 27/25) SEMIFINAIS Jogo 24 – Maranhão 3 x 2 Tocantins (19/25, 17/25, 25/21, 25/22 e 15/11) Jogo 25 – Mato Grosso x Alagoas, às 14h  SEXTA RODADA (DOMINGO 25.09) DISPUTA DE 9º E 10º LUGARES Jogo 26 – Amapá 3 x 0 Piauí (25/18, 25/19 e 25/21) DISPUTA DE 7º LUGAR Jogo 27 – Acre 0 x 3 Mato Grosso do Sul (19/25, 14/25 e 21/25) DISPUTA DE 5º LUGAR Jogo 28 – Rondônia 2 x 3 Bahia (28/30, 21/25, 25/23, 25/19 e 12/15) DISPUTA DE 3º LUGAR Jogo 29 – Tocantins 3 x 2 Alagoas (15/25,25/23,25/19,23/25,15/13 FINAL Jogo 30 – Maranhão 0 x 3 Mato Grosso (10/25, 21/25 e 21/25) O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro  Read More
    CBS
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Vôlei na TV

01/10 14:00 PAULISTA - FEMININO
SÃO BERNARDO X PINHEIROS
QUARTAS FINAL - JOGO IDA
02/10 19:30 PAULISTA - MASCULINO
SANTO ANDRÉ X CAMPINAS
QUARTAS FINAL - JOGO IDA

Vôlei Quadra

Vôlei Praia

Rio 2016 Quadra

Rio 2016 Praia