• Open Fortaleza André e Oscar superam alemães e conquistam primeiro título internacional

    Em Fortaleza (CE) - 01.05.2016 A capital cearense ficará marcada na memória de André Stein e Oscar Brandão. A dupla brasileira superou na manhã deste domingo (01.05) os alemãs Jonathan Erdmann e Kay Matysik na final do Open de Fortaleza, etapa do Circuito Mundial 2015/2016. A vitória foi conquistada no tie-break, com parciais de 21/15, 18/21, 5/15, após Matysik desistir do duelo com um mal estar. A medalha de bronze ficou com os mexicanos Virgen e Ontiveros. A campanha de Oscar e André Stein contou com sete vitórias em sete jogos e somente um set perdido. Eles já haviam conquistado um bom resultado na última semana, ao ficarem na quarta colocação da etapa cearense do Circuito Brasileiro. Oscar comentou sobre a emoção de subir ao pódio do Circuito Mundial pela primeira vez na carreira. "Quando vi que ele (Matysik) não teria mais condições de continuar, caí no chão. É difícil controlar os pensamentos e tudo que passa na cabeça neste momento. Tenho muito que agradecer ao André, ao meu time, minha esposa. Esse título é da torcida também, nos empurraram demais nessa virada. Agora quero aproveitar, desfrutar desta conquista que vai ficar marcada no coração. Fortaleza será sempre um lugar especial para mim". O time alemão começou impondo um ritmo muito forte e vencendo com facilidade o primeiro set. Para André Stein, a chave para vencer foi ouvir os gritos de incentivo da torcida, que fez a dupla brasileira virar o segundo set e levar o jogo para o tie-break. "Acho que a maior emoção que já senti em um jogo ocorreu no final do segundo set, quando conseguimos buscar o jogo e levar para o tie-break. O barulho e vibração da torcida me deu uma energia, algo arrepiante. Representar o Brasil, que tem tantas duplas boas, é um orgulho. E ser campeão dentro do país é ainda melhor", disse André. A medalha de bronze ficou com os mexicanos Virgen e Ontiveros, que superaram os primos chilenos Marco e Esteban Grimalt por 2 sets a 0 (21/13, 21/17), em 40 minutos. O time do Chile é comandado pelo ex-jogador brasileiro Eduardo Garrido, medalhista pan-americano em 1999, no Canadá. A parada na capital cearense encerra uma série de eventos do Circuito Mundial realizados no Brasil. Maceió (AL), em fevereiro, e Vitória (ES), em março, sediaram etapas Open. O Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos, recebeu um Grand Slam também em março. O torneio em Fortaleza também será da categoria Open, que vale menos pontos que um Grand Slam. Os campeões da etapa de Fortaleza recebem 500 pontos no ranking geral e uma premiação de 11 mil dólares. Ao todo, são 150 mil dólares em premiação nos dois naipes. Após a parada na capital cearense o Circuito Mundial segue para a Europa, onde será realizado o Open de Sochi, na Rússia, de 3 a 8 de maio. Outros oito eventos ocorrem até a disputa dos Jogos Olímpicos. VEJA A GALERIA DE FOTOS DO DIA VEJA OS RESULTADOS DO DIA Read More
    Circuito Mundial
  • Open Fortaleza Duda/Elize Maia fica com título e Brasil domina pódio com prata e bronze

    Em Fortaleza (CE) - 01.05.2016 O Brasil repetiu o que havia feito no Campeonato Mundial da Holanda, e dominou o pódio da etapa Open de Fortaleza do Circuito Mundial 2015/2016. Duda e Elize Maia (SE/ES) superaram Juliana/Taiana (CE) por 2 sets a 0 (21/17, 21/18) na final neste domingo (01.05), na arena montada na Praia do Futuro, na capital cearense. Para completar, bronze de Lili e Rebecca, que superaram Matauatu/Pata, de Vanuatu, por 2 sets a 0 (21/19, 21/19). Foi a segunda medalha de ouro da dupla brasileira, que havia vencido o Open de Maceió (AL), em fevereiro. Em oito eventos do Circuito Mundial, Duda e Elize somam ainda uma medalha de prata e um bronze. A campanha das campeãs contou com sete vitórias em sete jogos e apenas um set perdido, durante as quartas de final. Após a partida, Duda analisou a primeira vitória contra as adversárias e a evolução ao lado de Elize. "Juliana/Taiana são uma dupla difícil, nosso jogo não encaixou contra elas na etapa de Natal. Mas estudamos muito, assistimos aos jogos dela. É um jogo muito equilibrado e estudado, felizmente deu tudo certo. Estamos observando uma evolução no nosso time e isso motiva, vamos correr atrás do nosso sonho que é defender o Brasil em 2020". Para Elize Maia, pensar ponto a ponto e não se abater com erros foi fundamental para vencer Juliana e Taiana, que possuem no currículo diversas conquistas internacionais. "Da primeira vez disse que a ficha não tinha caído. Mas parece que aconteceu novamente. As meninas jogaram muito bem e valorizaram nossa medalha. Pensamos ponto por ponto e isso ajudou a controlar a ansiedade, ficamos concentradas. Quando vimos, o placar estava próximo do final e o ouro próximo. Esse foi mais um objetivo alcançado", disse Elize Maia, emocionada. A prata foi a primeira medalha de Circuito Mundial para Juliana e Taiana, que se juntaram em janeiro deste ano. Juliana possui 92 medalhas em etapas do tour internacional, enquanto Taiana conquista seu 15º pódio em uma etapa. <b>Brasil também é bronze</b>O Brasil também ficou com bronze com a vitória de Lili e Rebecca, empurradas pela torcida que lotou a arena em Fortaleza. As brasileiras tiveram garra para superar o placar adverso no segundo set, fechando a partida sem a necessidade do tie-break. Rebecca, que nasceu e mora na capital cearense, comentou a alegria pelo pódio. "Conseguimos um quarto lugar no Brasileiro, e agora um terceiro no Circuito Mundial. Ainda mais sendo em casa, com minha filha na arquibancada assistindo. Não sei como descrever em palavras essa alegria e felicidade. Tivemos jogos muito difíceis, mas acredito que merecíamos demais essa vitória para levarmos a medalha para casa", disse Rebecca. Foi a segunda medalha de Lili e Rebecca, que haviam sido bronze na etapa da Argentina do Circuito Mundial 2014. Lili possui ainda uma prata e dois bronzes com outras parceiras, enquanto Rebecca só disputou etapas internacionais ao lado da capixaba. Lili comentou sobre a postura do time, que se reergueu após a semifinal. "Sabia que seria um jogo muito duro, elas superaram o ótimo time da Holanda. E ainda estamos ajustando o time, essa medalha tem um gostinho de ouro. No final, perdendo o segundo set, olhei para a Rebecca e disse que merecemos esse bronze. Essa energia no final, de bater na mão, essa garra fez com que ganhássemos essa medalha. Estou orgulhosa da nossa postura no torneio", destacou Lili. A parada na capital cearense encerra uma série de eventos do Circuito Mundial realizados no Brasil. Maceió (AL), em fevereiro, e Vitória (ES), em março, sediaram etapas Open. O Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos, recebeu um Grand Slam também em março. O torneio em Fortaleza também será da categoria Open, que vale menos pontos que um Grand Slam. Os campeões da etapa de Fortaleza recebem 500 pontos no ranking geral e uma premiação de 11 mil dólares. Ao todo, são 150 mil dólares em premiação nos dois naipes. Após a parada na capital cearense o Circuito Mundial segue para a Europa, onde será realizado o Open de Sochi, na Rússia, de 3 a 8 de maio. Outros oito eventos ocorrem até a disputa dos Jogos Olímpicos. VEJA A GALERIA DE FOTOS DO DIA VEJA OS RESULTADOS DO DIA Read More
    Circuito Mundial
  • praia do futuro Juliana/Taiana encara Duda/Elize Maia na final e garante dobradinha em Fortaleza

    Em Fortaleza (CE) - 30.04.2016 Ouro e prata garantidos, e a oportunidade de conquistar também uma medalha de bronze. O Brasil dominou o torneio feminino do Open de Fortaleza, etapa do Circuito Mundial 15/16, e terá uma final verde e amarela entre Duda/Elize Maia (SE/ES) e Juliana/Taiana (CE). As brasileiras venceram pelas quartas e semifinais neste sábado (30.04), na Praia do Futuro. A decisão da medalha de ouro acontece às 12h, com entrada franca à torcida na arena montada na altura do hotel Crocobeach. A disputa do bronze será entre Matauatu/Pata, de Vanuatu, contra Lili/Rebecca (ES/CE). Os jogos terão transmissão ao vivo do SporTV 2. Será o primeiro confronto entre os times em uma etapa internacional. No tour nacional, as duplas duelaram uma vez, na semifinal da etapa de Natal (RN), com vitória de Juliana/Taiana. Duda e Elize possuem seis vitórias e somente um set perdido no Open de Fortaleza. Juliana e Taiana tiveram uma derrota na fase de grupos. Duda e Elize Maia conquistaram a vaga na final ao superarem as vanuatenses Linline Matauatu e Pata Miller por 2 sets a 0 (21/10, 22/20), em 32 minutos. O primeiro set foi tranquilo para as brasileiras, que dominaram sem sustos. A segunda parcial, porém, foi conquistada após uma bela virada. Bons saques de Elize Maia ajudaram a virar o placar no final. "Eu nunca tinha assistido uma partida delas antes. Mas conseguimos uns vídeos dos jogos delas aqui nesta etapa para estudarmos. Temos grandes objetivos a serem alcançados e um deles era o de rodar o Circuito Mundial este ano, então usamos as etapas brasileiras para pontuar e pegar experiência internacional .Somos uma dupla que está junta há apenas um ano, estamos crescendo e o mais importante é que acreditamos uma na outra, estamos nos desenvolvendo", destacou a capixaba Elize Maia. Duda elogiou as adversárias, principais representantes de Vanuatu no esporte e que conseguiram em Fortaleza o melhor resultado da carreira. "Essa vitória é muito especial, é nossa segunda vez na final em uma etapa aqui no Brasil. Foi a primeira vez que jogamos contra elas, um time muito guerreiro, vêm de um país onde apenas elas jogam vôlei de praia. Vi o filme que fizeram com elas e foi um prazer enfrenta-las. Pessoas especiais que se doam pelo esporte", elogiou a sergipana. Juliana e Taiana chegaram até a final ao superarem outra dupla brasileira: Lili e Rebecca. A partida contou com reviravoltas, domínio do time cearense no primeiro set, com vitória por 20/22. Na segunda parcial, recuperação de Lili e Rebecca, que venceram por 21/19, levando para o set de desempate. Aces de Taiana novamente fizeram a diferença e as campeãs mundiais Sub-21 fecharam em 15 a 11. Juliana apontou o revés na fase de grupos como determinante para a reação da equipe e evolução nas partidas eliminatórias. "A Lili e a Rebecca fizeram um excelente campeonato. Estão de parabéns pela performance. Taiana e eu tivemos o caminho inverso, sofremos uma derrota no início que acabou sendo boa para nós. Mudamos completamente a postura, parecemos um time completamente diferente de quinta-feira. O que eu mais desejo é que o nosso espírito continue desta forma. Agora vamos enfrentar um time que está crescendo muito, mas eu e a Taiana estamos jogando em casa então vamos dar a vida", analisou Juliana. Taiana apontou o saque como grande fundamento particular neste torneio. O fundamento ajudou nas vitórias das quartas de final e semifinal. "Nós sempre tentamos tirar o melhor uma da outra. Em alguns momentos oscilamos muito e não conseguimos a vitória, mas agora o mais importante nos últimos três jogos foi a atitude positiva que tivemos em quadra. Conseguimos jogar com mais clareza e tranquilidade. Ainda temos muito o que evoluir. O saque foi um ponto alto em nosso jogo e é um fundamento que treino bastante e gosto de fazer. Nesse torneio tenho conseguido encaixar bem o saque". A parada na capital cearense encerra uma série de eventos do Circuito Mundial realizados no Brasil. Maceió (AL), em fevereiro, e Vitória (ES), em março, sediaram etapas Open. O Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos, recebeu um Grand Slam também em março. O torneio em Fortaleza também será da categoria Open, que vale menos pontos que um Grand Slam. Os campeões da etapa de Fortaleza recebem 500 pontos no ranking geral e uma premiação de 11 mil dólares. Ao todo, são 150 mil dólares em premiação nos dois naipes. Após a parada na capital cearense o Circuito Mundial segue para a Europa, onde será realizado o Open de Sochi, na Rússia, de 3 a 8 de maio. Outros oito eventos ocorrem até a disputa dos Jogos Olímpicos. VEJA A GALERIA DE FOTOS DO DIA VEJA OS RESULTADOS DO DIA Read More
    Circuito Open
  • no pódio André Stein e Oscar vencem mexicanos e encaram dupla alemã na final

    Em Fortaleza (CE) - 30.04.2016 O Brasil está na decisão do Open de Fortaleza, etapa do Circuito Mundial 15/16 realizada na Praia do Futuro, na capital cearense. André Stein e Oscar (ES/RJ) venceram seus jogos pelas quartas de final e semifinal neste sábado (30.04) e encaram os alemães Jonathan Erdmann/Kay Matysik. A disputa do ouro acontece neste domingo (01.05), a partir das 13h, com entrada franca à torcida na arena montada na altura do hotel Crocobeach. A partida terá transmissão ao vivo do SporTV, assim como a disputa do bronze, que será entre os mexicanos Virgen e Ontiveros e os chilenos Marco e Esteban Grimalt, a partir das 10h. O Open de Fortaleza será a primeira final das duas duplas. André e Oscar já haviam enfrentado os alemães na fase de grupos em Fortaleza, com vitória por 2 sets a 0 (21/16, 21/18) do Brasil. O segundo duelo vale ouro, mas Oscar também quer se divertir. "Vamos tentar desfrutar ao máximo a final. Estamos construindo um caminho muito legal em nossa recente parceria, buscando cada vez subir mais um degrau. Amanhã vamos deixar tudo que temos, muita entrega, mas jogando com prazer, alegria. André e eu estamos atuando sem pressão e buscando apresentar um jogo de qualidade", analisou Oscar. Para avançar à final, André e Oscar superaram os mexicanos Juan Virgen e Lombardo Ontiveros por 2 sets a 0 (21/19, 21/11), em 35 minutos, pela semifinal. Na outra semi, vitória da dupla alemã sobre os chilenos Marco e Esteban Grimalt por 2 sets a 1 (21/12, 17/21, 15/8), em 48 minutos de jogo. Mais cedo, pelas quartas, o capixaba e o carioca haviam eliminado os paraibanos Jô e George por 2 a 1 (19/21, 21/13, 15/11). André e Oscar estão em sua quinta etapa internacional juntos, com um quinto lugar como melhor resultado. Eles perderam somente um set em 13 disputados em Fortaleza e esperam desfrutar da final jogando com alegria. O time alemão, que já foi três vezes medalha de bronze, tenta pela primeira vez a medalha de ouro em busca da vaga olímpica. "Nós sabíamos que a partida seria dura, eu assisti ao jogo deles mais cedo e foram muito bem. O Oscar disse que já conhecia a maneira como eles jogam e que sabia como marcar, então eu confiei. Conseguimos sacar bem. O primeiro set foi mais complicado, vencemos no sufoco. No segundo impusemos um ritmo bom com o Oscar defendendo muito. Eu estava mais nervoso nas quartas de final. Chegar à semifinal já tinha me deixado muito feliz, então entrei em quadra com vontade de me divertir. Estamos juntos desde janeiro e já conseguimos chegar a uma final de etapa do Circuito Mundial é incrível", analisou André. A parada na capital cearense encerra uma série de eventos do Circuito Mundial realizados no Brasil. Maceió (AL), em fevereiro, e Vitória (ES), em março, sediaram etapas Open. O Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos, recebeu um Grand Slam também em março. O torneio em Fortaleza também será da categoria Open, que vale menos pontos que um Grand Slam. Os campeões da etapa de Fortaleza recebem 500 pontos no ranking geral e uma premiação de 11 mil dólares. Ao todo, são 150 mil dólares em premiação nos dois naipes. Após a parada na capital cearense o Circuito Mundial segue para a Europa, onde será realizado o Open de Sochi, na Rússia, de 3 a 8 de maio. Outros oito eventos ocorrem até a disputa dos Jogos Olímpicos. VEJA A GALERIA DE FOTOS DO DIA VEJA OS RESULTADOS DO DIA Read More
    Circuito Open
  • em Fortaleza Brasil coloca cinco duplas nas quartas e garante ao menos um finalista

    Em Fortaleza (CE) - 29.04.2016 O Brasil está na final do torneio feminino do Open de Fortaleza. Cinco duplas do país avançaram às quartas de final ao vencerem seus duelos nesta sexta-feira (29.04). O chaveamento colocou quatro delas de um mesmo lado, garantindo assim ao menos uma finalista verde e amarela. Os jogos seguem neste sábado (29.04), com entrada franca à torcida na arena montada na Praia do Futuro, altura do hotel Crocobeach. Avançaram às quartas de final Ângela/Rachel (DF/RJ), Carol Horta/Ana Patrícia (CE/MG), Duda/Elize Maia (SE/ES), Juliana/Taiana (CE) e Rebecca/Lili (CE/ES). As partidas neste sábado começam a partir das 12h e o site da CBV transmite os confrontos da quadra central. O SporTV 3 também transmite duas quartas de final, a partir das 15h, além de todas as semifinais, de ambos os naipes. As finais, no domingo, também serão exibidas ao vivo. Juliana e Taiana fecharam a noite com uma classificação memorável, em jogaço contra Laura Ludwig e Kira Walkenhorst. As brasileiras arrasaram no primeiro set, vencendo por 21 a 7. Na segunda parcial, recuperação das alemãs, que venceram por 21 a 16. O tie-break foi marcado por um grande apoio da torcida local e muita pressão para os dois times. Laura chegou a empatar o jogo em 10 a 10, revertendo desvantagem de quatro pontos, mas as brasileiras fecharam com uma série de bons saques de Taiana: 15 a 10. "A Laura e a Kira formam um time muito difícil de ser batido. Nosso trunfo no primeiro set foi o nosso saque. Juliana e eu sacamos muito bem. Sabíamos que elas iriam fazer algo diferente no segundo set para tentar mudar a história. Elas conseguiram encaixar o saque, atrapalhando nossa virada de bola. Mas eu me mantive focada, estava bem no saque e na defesa. Não queria que a dificuldade na virada de bola atrapalhasse outros fundamentos", disse Taiana, que conseguiu anotar 10 pontos de saque na partida. "Estava ventando bastante, consegui usar isso ao meu favor, esticando bastante o braço, girando bem a bola no ar. E ao acertar, fui pegando confiança, foram saindo cada vez mais fortes e colocados, ajudando o time na vitória", completou a cearense. Rebecca e Lili (CE/ES), que tinham atuado duas vezes e começaram o dia direto na repescagem, venceram o primeiro duelo por 2 sets a 0 (21/14, 21/15), em 22 minutos. Horas mais tarde, pelas oitavas de final, não deram chances para as norte-americanas Brittany Hochevar e Jennifer Fopma, vencendo por 2 sets a 0 (21/17, 21/14), em 33 minutos. "Elas são um time alto, consistente, enquanto nos estamos tentando crescer durante o torneio. Joguei ao lado da Rebecca por dois anos, mas estamos com outras parceiras e tivemos pouco tempo de treinamento. Estávamos nos ajudando, uma dando a mão para a outra. Não vamos conseguir virar um placar se não for assim", disse Lili. Duda e Elize Maia (SE/ES) começaram o dia mantendo os 100% de aproveitamento, derrotando as alemãs Mersmann/Schneider por 2 sets a 0 (21/18, 21/19), em 35 minutos. O resultado deu a liderança do grupo E, além da vaga direta às oitavas de final, onde eliminaram as argentinas Zonta/Benet por arrasador 2 sets a 0 (21/7, 21/9), em 25 minutos. "Estou feliz, na etapa do Rio de Janeiro tive uma lesão, não fomos bem, e agora consegui voltar em boa forma. Fomos jogo a jogo, ponto a ponto, e tudo está dando certo. Mas agora temos outro passo, costumo pensar que cada fase é um torneio, pois basta uma derrota e você vai para casa. Mas vamos jogar felizes, como temos feito até agora. E a torcida do Brasil é as melhor, nos ajuda demais em todo desafio", disse Duda. Ana Patrícia e Carolina Horta (MG/CE) tiveram um caminho um pouco mais difícil. Em segundo lugar na chave B, tiveram que disputar a repescagem, superando as colombianas Andrea e Gorda Galindo por 2 sets a 0 (21/13, 21/19). Horas depois, já pelas oitavas de final, superaram outra dupla brasileira, Val/Josi (RJ/SC), por 2 a 1 (19/21, 27/25, 10/15), em 50 minutos. "A gente está trabalhando muito forte. Os resultados estão começando a aparecer e podemos observar a evolução do que foi treinado. O foco das atividades era para essa etapa do Mundial, pois temos que aproveitar oportunidades como essa para somar pontos e aprender. Fizemos jogos equilibrados, mas tivemos tranquilidade e confiança uma na outra", destacou Ana. Quem também avançou foi a dupla formada por Ângela e Rachel (DF/RJ). Elas começaram o dia vencendo as alemãs Arnholdt/Schumacher por 2 sets a 1 (16/21, 21/14, 15/9), em 43 minutos, pelo grupo F. Ainda teriam dois desafios pela frente para seguirem na etapa. O primeiro foi a vitória por 2 sets a 0 (21/19, 21/11) contra as tchecas Kolocova/Kvapilova, em 32 minutos, pela repescagem. Em seguida, valendo vaga nas quartas, triunfo contra as norte-americanas Summer Ross e Lane Carico, novamente por 2 a 0 (21/14, 21/13), em 31 minutos. Ângela destacou a recuperação da dupla no torneio e comemorou a vaga. "Em um torneio como esse você precisa viver cada momento. Nós ressurgimos das cinzas depois de começarmos muito mal. Estou me sentindo a própria fênix (risos). Vamos descansar e continuar com essa atitude, lutando por cada ponto, cada pedaço de quadra". A parada na capital cearense encerra uma série de eventos do Circuito Mundial realizados no Brasil. Maceió (AL), em fevereiro, e Vitória (ES), em março, sediaram etapas Open. O Rio de Janeiro, sede dos Jogos Olímpicos, recebeu um Grand Slam também em março. O torneio em Fortaleza também será da categoria Open, que vale menos pontos que um Grand Slam. Os campeões da etapa de Fortaleza recebem 500 pontos no ranking geral e uma premiação de 11 mil dólares. Ao todo, são 150 mil dólares em premiação nos dois naipes. Após a parada na capital cearense o Circuito Mundial segue para a Europa, onde será realizado o Open de Sochi, na Rússia, de 3 a 8 de maio. Outros oito eventos ocorrem até a disputa dos Jogos Olímpicos. QUARTAS DE FINAL:Carol/Ana Patrícia (BRA) x Juliana/Taiana (BRA) Rachel/Ângela (BRA) x Rebecca/Lili (BRA) Matauatu/Pata (VAN) x Meppelink/Van Iersel (NED)Stockman/Dowdy (USA) x Elize Maia/Duda (BRA) VEJA A GALERIA DE FOTOS DO DIA VEJA OS RESULTADOS DO DIA Read More
    Circuito Open
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

#aovivo

Craque da galera 2015/16

Vôlei na TV

Seleções

Vôlei Praia

Vôlei Quadra

Superliga B